SUA EMPRESA COLABORA COM OUTRAS? É HORA DE FAZER JUNTO.

Blog-Leni

Ao longo das últimas semanas, dias e horas, temos vivenciado transformações em volume, velocidade e intensidade até então desconhecidas. A cada minuto, crescem as incertezas, em especial, sobre o mundo que teremos a partir de agora. Impactos econômicos, sociais, políticos e culturais, claro, serão profundos, mas a grande questão que se desenha – e que é foco do trabalho desenvolvido pela Fundação Dom Cabral todos os dias – é sobre as competências que serão exigidas dos líderes de organizações privadas e públicas para encontrar as soluções que nos farão sair melhores e mais fortes de tudo isso.

Por isso, foi especialmente importante ouvir a experiência e a visão de mundo da Professora Leni Nunes durante o quinto episódio de com:unidade – Iniciativas FDC para tempos desafiadores. Para ela, das inúmeras ambiguidades trazidas pelo coronavírus, surge uma certeza: a colaboração.

Ninguém sairá dessa crise sozinho. Nem indivíduos, nem organizações.

As soluções para os desafios que estamos enfrentando não serão individuais, mas sim coletivas. Nesse sentido, a colaboração passará a fazer parte, obrigatoriamente, da agenda de indivíduos, empresas e governos. As organizações precisarão criar lógicas de negócios e estratégias que permitam novas ofertas de produtos, de serviços e de soluções. Exigirá criatividade, flexibilidade e cabeça aberta para pensar no que, até o início de fevereiro de 2020, poderia parecer inimaginável.

Muito longe de algo abstrato, a cooperação é o que, na prática, permitirá que negócios que já chegaram ao limite da redução de custos possível reinventem seu mix, agregem novos serviços e persigam um novo ponto de equilíbrio. Será necessário ampliar o propósito e gerar, a partir daí novas opções, novos nichos e novas fontes de receita. A recuperação dos mercados passará pela recuperação da capacidade de consumo em um momento de severa escassez e, nesse contexto, a eficiência será fundamental.

Confiança

Enquanto houver confiança, haverá soluções. Ela é o pilar essencial na construção de modelos de negócio em plataforma, ecossistemas ou networking. É o vínculo que criará as pontes para que líderes possam combinar esforços.

A confiança pode ser definida por uma equação composta por credibilidade, confiabilidade e intimidade cujo resultado pode ser diminuído – quando colocamos o foco no nosso próprio umbigo – ou potencializado, quando o foco está outro. Com o ineditismo do momento atual, a impossibilidade de criamos cenários claros sobre o que está por vir e a insegurança, manter o foco no outro é a fórmula que fará possível novas bases no relacionamento entre pessoas físicas e jurídicas.

Um aspecto importante do que estamos vivendo é a solidariedade que tem se manifestado na esteira dessa crise, em diferentes planos da sociedade, nos negócios, nas relações pessoais e nas atitudes. Esse novo ciclo cria um ambiente propício para desenvolvermos novas bases de confiança que sustentarão os próximos ciclos de superação. Dessa forma, passa a ser prioridade número 1 para executivos criar, manter e ampliar a confiança em seu entorno, com colaboradores, parceiros, clientes, concorrentes e com a sociedade.

A Professora Leni ressalta que relações pessoais não podem passar por cima de crises de confiança e, por isso, agora é hora de se aproximar das pessoas com quem nos relacionamos. Segundo ela, estamos no momento de zerar relações de distanciamento e começar a criar mais proximidade.

O ponto de partida desse processo começa com uma pequena iniciativa, mas de enorme significado e relevância: “pergunte ao outro: ‘como você está?’. Essa é uma forma de reconhecer a importância do outro, demonstrar respeito e entender que do outro lado pode haver alguém precisando de algo”, destaca a professora.

Outra recomendação é para que gestores façam uma transição do papel de “líder-herói” para o de “líder-humano”, exercitando empatia e compartilhando suas vulnerabilidades e suas angústias. São exatamente nessas oportunidades em que o líder passa a ter de exercer maior influência e conquistar engajamento.


Os negócios voltarão! 

Com toda a sua experiência, trabalhando com grandes empresas e executivos, a professora reforça que assim como em outras oportunidades, essa crise vai passar. E aprendizados ficam de forma definitiva. Equipes sairão com mais autonomia, as pessoas terão mais autoconhecimento e a responsabilidade social de indivíduos e organizações alcançará um novo patamar.

Você pode acompanhar não só a íntegra dessa conversa com a Professora Leni Nunes mas também toda a playlist que a FDC preparou para contribuir com a leitura desse momento no nosso canal especial.  Todos os dias, sempre às 16h, um novo conteúdo FDC para você!

​​​Leni Nunes é professora e pesquisadora da FDC nas áreas de liderança, gestão de pessoas e comportamento organizacional, além de coordenadora técnica de vários programas da instituição.​

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin